sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

“Diacrítico” de João Rasteiro



«.a arte mais sublime de trespassar a morte é descansar num nevoeiro a arder de sangue. e mastigar a ferocidade das abismadas paisagens com a zoologia aberta do amor. na agonia da pura inocência. olhar o gume da lâmina prateada e amá-la exalando a sua boca atulhada em espaço lírico. no ventre suculento das algas. a renúncia do torpor é apenas a entrega incólume da candura e da vulva viva porque nos incutimos erectos. o fingimento que evoca a mulher sufocada nos ganchos quando o poeta faz de homem sábio. a magnólia cheirando a incesto nas palavras faustosas. cada golpe luminoso é a acutilante pujança das orquídeas negras do nosso próprio eco. a exígua morte.»
in Rasteiro, João, “Diacrítico” (VIII)
JOÃO RASTEIRO, poeta e ensaísta, nascido em Coimbra, apresenta o livro “Diacrítico” com a chancela da Editora Labirinto. A sessão realizar-se-á no dia 4 de Fevereiro (sexta-feira), pelas 18h30, na Casa da Cultura de Coimbra - Sala Sá de Miranda e será apresentada pela Professora Doutora Maria Irene Ramalho da Universidade de Coimbra. Leituras de poemas pelo poeta Jorge Fragoso e uma performance de dança por Cláudia Afonso, enriquecerão o evento.
“Diacrítico”, obra poética, apresenta-se como uma metamorfose da ordem natural das coisas, onde os sentimentos são invadidos por uma perturbação desconcertante no seu significado. Palavras atentas, escolhidas no mar, juntas na areia constroem esta nova natureza, que, na realidade, já não é nova, apenas esclarece uma ordem desordenada. Entre o poeta e a mulher volta o ‘fingimento’, semeado vezes sem conta, colhido por esta humanidade empobrecida, que caminha para a eterna morada.
Em “Diacrítico”, as palavras oscilam ‘entre a espada e a parede’. São palavras que não respiram ao respirar. São vozes que calam sem falar. São mensagens que passam sem um som se notar.
Nas palavras de Albano Martins, no prefácio à obra, «Empurrada por um vento que sopra do deserto, a linguagem carrega consigo algumas pétalas que vai deixando na página em branco. Portadoras dum sentido originário, genesíaco, as palavras abrem sulcos num terreno onde o significado se oferece pleno de potencialidades e sugestões, carimbando de decantada expressão o corpo do poema. Tudo, aqui, é alusão. Tudo é profecia, oráculo, metamorfose. Tudo é, também, delírio.» são as letras, assim, que se juntam nas palavras e ganham forma, conhecem um corpo e lhes permitem comunicar. Esse corpo, ladeado de sentidos contraditórios, ergue-se triunfante e aproxima o divino ao humano e o humano ao divido, como se a transformação fosse um sinal possível e a harmonia reinasse num reino sem trono. Tudo é fantasia. Tudo é ilusão. Tudo é metamorfose.
Biografia
João Rasteiro (Ameal - Coimbra, 1965), poeta e ensaísta, traduziu para o português vários poemas de Harold Alvarado Tenorio, Miro Villar e Juan Carlos Garcia Hoyuelos. É Licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade de Coimbra. Trabalha actualmente na “Casa da Escrita” – Câmara Municipal Coimbra. É sócio da Associação Portuguesa de Escritores e membro dos Conselhos Editoriais das revistas Oficina de Poesia e Confraria do Vento (Brasil). Possui vários poemas publicados em várias revistas e antologias em Portugal, Brasil, Itália, Colômbia, Chile e Espanha e possui vários poemas traduzidos para o Espanhol, Italiano, Inglês, Francês e Finlandês. Obteve vários prémios, nomeadamente a “Segnalazione di Merito” do Concurso Internacional Publio Virgilio Marone, Castiglione de Sicilia, Itália, 2003, o 1º Prémio no Concurso de Poesia Cinco Povos Cinco Nações, 2004, o 1º prémio – na categoria de autores estrangeiros – do Premio Poesia, Prosa e Arti Figurative-Il Convívio (Verzella, Itália, 2004) e o Prémio Literário Manuel António Pina (Câmara da Guarda/Assírio & Alvim, 2010). Publicou os seguintes livros: A Respiração das Vértebras, 2001, No Centro do Arco, 2003, Os Cílios Maternos, 2005, O Búzio de Istambul, 2008, Pedro e Inês ou As madrugadas esculpidas, 2009, Diacrítico, 2010 e A Divina Pestilência, Assírio & Alvim, 2011. Em 2005 integrou a antologia: “Cânticos da Fronteira/Cánticos de la Frontera (Trilce Ediciones – Salamanca). Em 2007 integrou a antologiaTransnatural”, um projecto multidisciplinar sobre o Jardim Botânico de Coimbra. Em 2008 integrou a antologia e exposição internacional de surrealismo O Reverso do Olhar. Em 2009 integrou a antologia: “Portuguesia: Minas entre os povos da mesma língua – antropologia de uma poética”, organizada pelo poeta brasileiro Wilmar Silva e que engloba poéticas de Portugal, Brasil, Cabo Verde e Guiné-Bissau. Em 2009 integrou o livro de ensaios “O que é a poesia?”, organizado pelo brasileiro Edson Cruz. Em 2010 integrou a antologia Poesia do Mundo VI, resultante dos VI Encontros Internacionais de Poetas de Coimbra organizados pelo Grupo de Estudos Anglo-Americanos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em 2009, organizou para a revista ARQUITRAVE da Colômbia, uma antologia de poesia portuguesa, intitulada “A Poesia Portuguesa Hoje”. Mantém em permanente irrupção o sísmico fulgor do blogue: http://www.nocentrodoarco.blogspot.com/
Pedro Miguel Sousa, in Caderno Cultural do Jornal Povo de Fafe (28/01/2011)

Sem comentários:

Enviar um comentário