sábado, 15 de outubro de 2016

Há fruta na aldeia

O verão foi longo. Setembro ainda foi muito animado. Uns dias mais escuros fizeram acalmar o desespero das chamas com a passagem rápida da chuva. Não custou tanto entrar no trabalho. O tempo convidava ao resguardo. Depois veio a fruta. A fruta da época. Aquela que se pode comer sem ir primeiro ao supermercado.
    A vida da aldeia é assim. Há um pouco de tudo. Não tem de passar pela máquina registadora. Nem tão pouco precisa de uma moeda em troca. Pelo menos no momento. Depois há outra fruta. Essa também não precisa de recibo. Mas já há uma moeda em troca… A fruta não é toda igual.
     O que acho mais engraçado é mesmo a procura. Deve ser mesmo boa. Ninguém denuncia mais a fraca qualidade da fruta. Em tempos, fizeram-se abaixo-assinados só por causa da aparência. Os filhos eram pequenos e não era de bom-tom ver a fruta exposta. Mas hoje já não importa mais… cresceram os herdeiros do trono e os outros que se amanhem.
     Como gosto da aldeia. Só há coisas boas para escrever. Ou pelo menos é o que me dizem os jornais. Às vezes pergunto se são de parede ou todos de paróquia. O importante é dizerem que tudo vai bem… e com tanta procura da fruta, está sempre garantida a sobrevivência do pomar!
     Agora, a fruta não fica só à entrada da aldeia. Há mesmo outros tipos de fruta nas suas entranhas. À descarada como se diz em linguagem corriqueira. Mas ninguém diz nada. Ninguém viu nada. O importante é que ninguém saiba de nada. Por isso, também não se escreve nada. Vamos estar caladinhos. E manter os nossos tachinhos…
     Há fruta na aldeia. Muita fruta.
in Jornal Povo de Fafe (14-10-2016)

Sem comentários:

Enviar um comentário