sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Por que será que Marques Mendes está sempre a malhar no Ministro da Educação?

     Não sou cliente assíduo dos comentários da SIC aos domingos, mas sempre que posso estou lá de pedra e cal a assistir às mais variadas análises de Luís Marques Mendes. Não me deixo influenciar paulatinamente pelas suas tomadas de posição, nem pouco mais ou menos, mas na maior parte delas até que vou concordando com as suas análises. No caso do Ministro da Educação, neste caso muito concreto, confesso que até fico indignado com a forma como nos é apresentada a sua visão.
   É claro que há um guião a seguir nos comentários. Definidos previamente como mandam as regras da comunicação. E, neste enquadramento, Marques Mendes esteve muito bem nas suas explicações e na defesa das suas opiniões. No entanto, quando o jornalista aproveita a deixa da remodelação do governo para questionar quais as pastas que seriam prioritárias, eis que sem se perceber o timing surge o Ministro da Educação que continua a ser um erro de casting para Luís Marques Mendes. Também ele segue as indicações da direita e acusa o Ministro de fazer as vontades à FENPROF.
     O comentador dos domingos à noite da SIC foi um dos que se mostrou muito indignado com as tomadas de posição do atual Governo relativamente aos Colégios Privados. Falou muito do Colégio de Estarreja, porque conhece a sua situação de perto, dizia num dos comentários dominicais. Um colégio, ao que parece, com uma excelente prestação. Mas isso nunca esteve em causa e o Governo, depois de analisar as diversas situações, tomou as medidas que considerou mais justas.
     Nesta defesa da honra dos colégios, infelizmente, não vi analisada e divulgada a situação de cada Professor. As razões por que uns conseguem fazer piscinas e levar os alunos a casa em contraste com o ensino público que não tem essa capacidade. Porquê?
     Seria muito importante que se analisasse, como vários comentadores o fizeram, como são tratados os profissionais do ensino público e do ensino privado, por exemplo? É que no ensino público há regras a cumprir para todas as Escolas, já nos colégios privados, se o Estado cortar aos apoios, até há funcionários coagidos a assinar a aceitação de redução de ordenado… e cara alegre!
     Marques Mendes tem um discurso bem preciso. É claro que está longe da popularidade do Professor Marcelo. Mais distante ainda se a sua intenção passar por se candidatar à Presidência da República. Mas se este propósito estiver nos seus planos, seria de bom tom que moderasse as suas emoções em relação ao que efetivamente lhe faz alguma espécie de conflitualidade, é que os portugueses já provaram que dão maioria a pessoas que estejam sempre ligadas a um partido, mas se se prova que há tomadas de decisão mais favoráveis a uns do que a outros, não me parece que a intenção dos votos seja a mesma. Mas isto… sou eu a pensar em voz alta, ok?

     Já agora, até gostava de ver um homem de Fafe a Presidente da República, mas isso só será possível quando se deixam cair as camisolas e bandeirinhas e se ‘acredita e segue’ por entre linhas da justiça… nem que seja a de Fafe.

Sem comentários:

Enviar um comentário