quarta-feira, 13 de maio de 2015

Eh pá, não me venhas com essas conversas! Eu quero mais é quem me deixe...

Não vou de certeza. Fui...
Tantas e tantas vezes, por razões que nem nós sabemos muito bem, tentamos aproximar-nos das pessoas com aquelas palavras de alguma simpatia, mas logo somos arrebatados com uma chapada que nem entendemos a razão.
Enquanto a paciência é nossa amiga, tentamos perceber as razões que levam àquela atitude connosco, se até aí as conversas eram amenas, mas quando estamos tão ocupados com a nossa vida e sobretudo em harmonia com uma série de coisas, o que mais queremos é que cada um fique com os seus pirolitos e, de fininho, saímos sem fazer muito barulho.
Não sei qual das duas formas é a indicada. Mas penso que respeitar o espaço da outra pessoa, principalmente naquele momento, seja o mais indicado... agora, perceber aquelas reações é que é o cabo dos trabalhos...
Pensando bem, será importante perceber?
Não! Sinceramente, não me parece! É preciso deixar as pessoas com as suas birras. Isso passa...
A não ser que seja a pessoa que está ali contigo, nesses casos, por favor, discutam o que for preciso mas não se deitem sem resolver esse conflito. As relações só funcionam se seguirmos este princípio...
Vês? É fácil não é? A vida seria bem mais agradável se não complicássemos as coisas simples. Lidar com pessoas, mesmo em questões tão banais como esta, tem sempre os seus quês...
Por isso, tranquilo... relaxa... vê uma novela... procura um filme na net... escreve... lê... faz o que bem te apetecer, mas não stresses.
Acho que estou a ficar preparado para enfrentar tubarões. E tu?

Sem comentários:

Enviar um comentário