quinta-feira, 9 de abril de 2015

Desisti de ti...

No momento em que me fechaste a porta na cara! Sempre compreendi os teus atos. Eram próprios de quem ama de verdade ou talvez de quem tem medo de arriscar... Já estava decidido, mesmo antes de me mostrares com o teu jeitinho doce agora mais amargo do que nunca. Não esperava mesmo outra atitude.
As primeiras horas são mais aflitivas. Depois a distração do mundo ajuda a atenuar a dor. Só muito tempo depois voltam as forças. A vontade de cortar a barba. Olhar o espelho e sentir-me novamente confiante... Como aquele momento em que te perdia nas palavras. Em que te assustei com a minha ilusão. Em que o Jardim da cidade era o mais belo, porque tu estavas lá.
Volto a ser livre. Deixo-te com os teus pensamentos aterrorizados porque não és mulher o suficiente para me admitir. Nos admitir. Só o tempo. Esse tempo o dirá que eu estava certo. Mas isso vai demorar meses, muitos meses. Os anos suficientes para que te tornes uma linda lembrança. Um sonho de menino. Uma saudade cheia de nada. 
Só o tempo me dará razão. Mas como todas as outras vezes, já não serei mais nada... Já Tu... Tu serás sempre uma amada ausente, o tal amor platónico, e eu... agora para ti... um carinho especial de há muito tempo... dirás com esses mesmos olhos brilhantes... como todas as outras paixões da adolescência.
Volto ao meu quarto. Ao meu porto de abrigo. Olho o telemóvel. Apago todas as tuas fotos... sou livre... mesmo sabendo que tu continuas lá... no meu pensamento... e eu sei isso... e sou feliz.
in Sem Chance

Sem comentários:

Enviar um comentário