terça-feira, 14 de abril de 2015

Marcamos na praia?

Sim! Foi a última palavra que ouvi da boca dela. A tarde estava divinal. Quente como tudo, só mesmo o vidro aberto permitia saborear aquele fresquinho das árvores na berma da estrada. Eu estava feliz. Tudo parecia tão belo. Até mesmo aquele camião que não andava tinha piada... Fui com tempo. Como vou sempre. A estrada parecia não ter fim. Mesmo sabendo que ela não estava lá, não queria perder um minuto que fosse de a poder abraçar. Amo o seu abraço. Amo-a.
Vinte e três minutos depois começo a avistar um carro. Cinzento. Sim. era Ela. Deixei que saísse do carro e só depois é que me atirei nos seus braços. Aquele beijo parecia não querer acabar. As nossas faces encostadas acariciavam a mais ternurenta das paixões. Tinham sido só umas horas de distância, mas ali amava-mo-nos como se já não nos víssemos há mais de um ano.
Procurámos a duna mais escondida. Ali fizemos amor. A praia estava quase deserta. Só avistámos primeiro um e depois outro casal mais junto à água. Descemos para junto do mar e voltamos a ser felizes nos braços um do outro. Correndo um atrás do outro como dois adolescentes sem regras. Atirava-a ao chão... beijava-a... voltava a correr... voltava a beijar aquela cara mais linda que alguma vez...
Pudesse ser isto verdade. Não fosse aquela tua mensagem a dizer: 'Desculpa. Mas não vou!'
Volto ao meu carro. Feliz com o mar. A maresia faz-me bem. Acalma a dor. Alivia a pressão. Fui tão feliz naquele dia. Eu sei que também foste. Aquele abraço. Aquele beijo...
in Sem Chance

Sem comentários:

Enviar um comentário