sexta-feira, 4 de junho de 2010

Feliz dia da Criança todos os dias

No dia 1 de Junho, precisamente no dia em que escrevo esta crónica, é celebrado o dia da criança. Talvez este dia fosse despropositado, bastava acabar a guerra, a fome, o terror, a insegurança, os maus tratos e tantas outras atrocidades cobardemente cometidas contra estes ‘seres humanos’ indefesos.
Sempre admirei a atitude da criança. Embora as suas posições sejam algumas vezes de egoísmo, o certo é que uma zanga é esquecida no imediato e partem logo para mais uma aventura imaginária sem se aperceberem das guerras e lutas dos ditos crescidos. O seu poder de perdão é imenso. É mesmo fantástico!
Apesar de tudo isto, nem sempre as crianças crescem nos melhores meios e os exemplos que vão adquirindo são os mais terríveis: os pais bebem demais; o ambiente familiar é vergonhoso; a comunidade tem líderes que só pensam no próprio bem-estar… ou seja, o mundo da rua é o seu guia mais próximo, seja para o bem ou para o mal.
Neste dia surgem muitas festas, espalhadas por todo o lado, com balões e prendinhas, mas amanhã volta a realidade e muitas crianças continuam sem ter uma família equilibrada (não precisa ser rica). Amanhã as crianças já não têm aulas de música, dança e expressão dramática. Amanhã já não têm festa. Amanhã já ninguém se lembra que hoje ou ontem ou mesmo anteontem foi dia da criança e que esta tem direito a ter uma vida, mesmo não tendo o direito ao voto.
Em vez dos agentes culturais e sociais andarem à procura de protagonismo a anunciar ‘a banha da cobra’ com obras para tentarem disfarçar os erros dos crescidos, deviam preocupar-se em conseguir um bom sistema de saúde (para não terem de esperar dias a fio por uma simples consulta), escolas com qualidade nas infra-estruturas e nos recursos humanos e actividades culturais e recreativas para que todas as crianças pudessem ter acesso e com isso crescer na sabedoria, no conhecimento.
Quando ouço a célebre frase - ‘há uma criança dentro de cada um de nós’ – costumo dizer que a minha está bem viva, o que me tem permitido dizer o que penso e, neste momento, penso que as crianças continuam a brincar livremente, ao contrário dos grandes que muitas vezes não são mais do que marionetas nas mãos de um líder qualquer e em conjunto procuram abafar os podres cometidos de uns e de outros. Mas não se deve ignorar o passado, porque um dia, em Belém, nasceu ‘uma criança’ e o Rei tentou matá-la, mas ela cresceu e arrumou a casa de seu Pai que estava tomada por comerciantes que procuravam lucros indevidos e, mesmo esta tendo sido construída com o suor do povo, achavam que tinham apenas eles o direito a usá-la como quisessem.
Este Menino foi morto numa cruz, mas ainda hoje se fala dele como um Homem de coragem, ao contrário dos que usavam o templo para o comércio!
Feliz dia da criança todos os dias!
Pedro Miguel Sousa
in Jornal Povo de Fafe (04-06-2010)

Sem comentários:

Enviar um comentário