terça-feira, 22 de agosto de 2017

A praia fluvial de Regadas não era para estar pronta?

Este ano resolvemos apostar na aquisição de uns barcos. Caravelle K65. Grandes máquinas puxadas a remos. Não sabia remar. Numa aventura inicial que mais parecia as manobras dos carrinhos de choque, eis que o chilrear da passarada, a suavidade das águas cristalinas e as palmas das árvores ao sabor do vento me atiravam facilmente para um ambiente bucólico. Não eram mais as ondas do mar a embalarem, mas os sons de sempre, nas memórias mais felizes da infância.
Como é bom estar em paz com a natureza!
Não fosse o poder da natureza, mesmo no seu estado mais selvagem, até me sentiria triste com o desprezo a que está dotado um dos rios mais emblemáticos de Fafe. Um rio que permitiu alimento a centenas de famílias quando alimentava as turbinas de uma fábrica, o mesmo rio que leva a luz a tantas outras, entre campos, montes e vales até se juntar com outro e depois outro e terminar em grande forma mar adentro.
É triste. É mesmo muito triste quando há interesses que não se conjugam com os da natureza. É até vergonhoso quando se faz bandeira de um recurso natural que merece ser tratado com aplauso por toda uma população, mas depois é esquecido tão somente…
Seria assim tão difícil criar uma pequena presa e usar a areia acumulada para servir de poiso às toalhas mais ou menos floridas? E se se juntassem duas ou três mesas dessas já feitas e a preços tão acessíveis numa dessas lojas que vendem quase tudo?
Fácil, não? Custos? Reduzidíssimos… mas quando os interesses são outros…

Enfim, resta-nos aproveitar o rio tal como ele é. Selvagem. E, como é óbvio, continuar a esperar até que as melhores ideias voltem a reinar…

Sem comentários:

Enviar um comentário