quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

O Menino do Moinho

      Havia junto a um rio um moinho muito velho, onde morava um Menino. Todos os dias, o Menino saía bem de manhãzinha para procurar alguma comida nos campos e nas fruteiras da região.
      Um dia, apareceu-lhe um agricultor muito mau que o viu a cortar um cacho de uvas e correu-o com um cajado. O Menino correu ferido por entre o centeio e só parou quando conseguiu chegar ao rio, perto do seu moinho. Não tendo forças para avançar caiu prostrado no chão.
       De repente, um jovem apareceu por entre uns arbustos à procura de uma bola e deparou-se com o Menino. Ajudou-o a levantar-se e perguntou-lhe se precisava de alguma coisa e o que tinha acontecido. O Menino contou-lhe que fora agredido quando pegava num cacho de uvas para comer. Era muito pobre, vivia sozinho num moinho abandonado junto ao rio da aldeia, porque ficara órfão e não tinha ninguém para cuidar de si. Por isso não ia à Escola e não conhecia ninguém.
      Ao ouvir isto, António de repente disse:
       – Sou teu amigo! Quero ajudar-te a conseguir tudo o que os outros têm.
       A partir daquele dia, os dois amigos tornaram-se protectores um do outro. António, que vivia bem, guardava sempre comida para levar ao seu amigo depois das refeições e ambos corriam e saltavam no bosque junto ao rio. O Menino começou a aprender umas letras com o amigo e a ajudar António nas composições da Escola, porque tinha muita imaginação. As histórias sobre as fadas, musas e adivinhas, que o Menino inventava para o amigo, encantavam todos os meninos na Escola da aldeia. Todos queriam saber quem era o Menino com tanta criatividade.
      Enquanto isso, as notas do António começaram a ser muito boas e, no dia em que conseguiu o melhor resultado da turma, convidou os colegas para conhecer o Menino. Todos foram muito entusiasmados e passaram uma tarde a jogar à bola, a nadar no rio e a ouvir as histórias do Menino…
      O Menino do Moinho não estava mais sozinho. Tinha já muitos amigos que brincavam com ele e lhe ofereciam roupas. Alimentos e até cadernos para ingressar na Escola.
 Mas, o Natal estava próximo. Era altura de pedir as prendinhas e o Menino pediu que lhe desse cada vez mais amigos. António nesse ano não pediu nada para si, pediu antes uma família como a sua para o Menino…
     Ao acordar, numa manhã toda branquinha, cheinha de neve, António foi ver o que o Pai Natal lhe deixou no sapatinho. Ao entrar na sala, olhou para junto da lareira e viu seus pais e seu grande amigo sentados em volta da mesa de família. O Menino não estava mais sozinho, não tinha apenas amigos que o ajudavam, mas uma família de verdade, para lhe dar os melhores presentes, o carinho e o amor de verdade.

http://resineiros.blog.com/

Sem comentários:

Enviar um comentário