sexta-feira, 27 de maio de 2011

O sentimento de impunidade está a destruir as escolas


‘Ai de tu faltares ao respeito a algum professor ou a algum colega’ é uma expressão que já não se ouve mais. Os jornais mobilizaram esta semana comentadores (psicólogos, psiquiatras, juristas…) para comentar a brutalidade de duas miúdas contra uma colega e outros que filmavam e nada faziam. Mas, isto, é só uma pequena gota no oceano do que se está a passar em todo o país. O sentimento de impunidade, as faltas que só servem para cortar as bolsas e nunca excluir o aluno, a passagem quase obrigatória devido aos requisitos serem tão baixos são algumas das problemáticas que têm de ser revistas com urgência sob pena de estarmos a certificar gente com valores invertidos, não que se ensinem nos programas mas porque muitos nem à escola aparecem e não podem ser retirados porque a idade não o permite.
As escolas já foram alertadas para a nova reestruturação do sistema financeiro por parte do POPH, programa de financiamento, e é bem claro quando refere que a escola não receberá o mesmo se tiver 15 ou 10 alunos. À primeira vista até poderia ser compreensível, se estivéssemos a falar da perspectiva do utilizador pagador, mas o problema é que a escola tem os mesmos encargos com 10 como com os 15 alunos, basta fazer as contas: a luz, a água, o material didáctico, os honorários… Ou seja, para a aula funcionar, há encargos fixos, até pode ser menor nas aulas práticas, porque não vai despender de tanto material, mas são momentos pontuais e nunca na globalidade. Uma outra situação é o funcionamento da turma, porque esta para funcionar precisa de ter no mínimo 15 alunos e quem está por dentro das questões do ensino sabe muito bem que as turmas, principalmente as das novas oportunidades, perdem sempre alunos.
Compreendemos muito bem o que se está a tentar fazer: pressão sobre o ensino e a qualquer custo manter os alunos dentro do sistema de ensino, mesmo que eles faltem muito e tenham resultados péssimos. Mas não é assim que se formam pessoas com capacidades de produzir e, principalmente, com capacidade de ter um comportamento cívico condigno.
O ensino profissional, que antigamente era visto como os cursos frequentados por aqueles que tinham mais dificuldades, ganhou o estatuto de qualidade e é bem notória a sua prestação no mundo do trabalho, isto é, são cursos que valorizam mais a parte profissional como sempre foi o seu objectivo e conseguem ser uma mais-valia e em muitos casos de excelência no mundo empresarial. Os novos cursos de Educação e Formação, que lhe copiam o conceito, estão em muitas das situações além das expectativas, uma vez que têm inúmeras lacunas como já fora retratado atrás.
Para uma melhor prestação no ensino e à sociedade, é urgente uma reestruturação na concepção destes cursos e, mais ainda, na forma de financiamento para que as escola não se vejam obrigadas a tomar medidas que em nada beneficiam a comunidade escolar, mas antes a atiram para o abismo.
A EDUCAÇÃO NÃO PODE TER COMO PRINCIPAL OBJECTIVO A ESTATÍSTICA, MAS SIM A CIDADANIA E O PROFISSIONALISMO!
Pedro Miguel Sousa, in Jornal Povo de Fafe (27-05-2011)

Sem comentários:

Enviar um comentário