sexta-feira, 5 de março de 2010

A cultura também são edifícios…

Numa recente conferência na Universidade de Coimbra, o Secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle mostrava a importância e necessidade de fazer um registo de todo o património arquitectónico. No imediato, Fafe e o seu património foi o nosso alvo de análise e deparamos que mais uma vez este concelho perde as suas potencialidades na falta de uma animação cultural e turística capaz e em sintonia.
Seria injusto falar da necessidade da recolha de informação e respectivo registo se depois não houvesse uma animação cultural que o justificasse, porque quem faz a cultura não são as obras, mas os espectadores atentos que comentam, criticam e de uma forma ou de outra intervêm e a complementam.
Procuramos não entrar em questões político-partidárias, porque essas são sempre as grandes entraves de um forte desenvolvimento, mas não podemos continuar serenos ao assistir ao desperdício de verbas que a autarquia lhe permite, para entretenimentos supérfluos, quando o que está em questão é uma cidade, que preferimos sempre dizer ‘concelho’ coberto por uma rede de infra-estruturas culturais capazes de permitir um desenvolvimento e enriquecimento das suas populações e de hipotéticos visitantes.
Na verdade, tudo é tão supérfluo, tudo é tão mesquinho, tudo é tão ridículo, mas o certo é que estas terminologias de pseudo-intelectuais deixam de ter importância quando verificamos que é ‘no povo e nas suas artes’, ainda que populares, que está um verdadeiro caminho a seguir e explorar. É, ao mesmo tempo, na recuperação de edifícios e na sua classificação como património que Fafe ganha a sua própria identidade. Ao mesmo tempo, aproveitando os recursos já existentes, o aumento de rota de pedestrianismo, a aposta num turismo rural em sítios estratégicos, uma animação eficaz e saudável são sempre ingredientes de sucesso. É verdade que nada se consegue sem dinheiro, mas valerá a pena insistir que há projectos à espera de candidaturas?
Haverá alguma razão especial para que de uma vez por todas os agentes culturais se apercebam que têm de exigir muito mais dos seus autarcas? Obviamente não é de dinheiro que nos referimos, mas de apoio técnico, jurídico… ainda que não tenhamos tido a oportunidade de assistir, é importante fazer acções para mostrar onde estão e como se consegue a aprovação dos projectos (Jovens em Acção, organizado pelo Vereador da Cultura), por que não seguem outros Vereadores o mesmo princípio? Não foi para ajudar Fafe que foram eleitos? Toca a sair do ar condicionado e sentir o que o concelho realmente precisa…
in Jornal Povo de Fafe (05/03/2010)
Pedro Miguel Sousa

2 comentários:

  1. Então amigo Sousa, estou a ver que continuas interventivo, agora através desta poderosa ferramenta de intervencionismo, que é a escrita, a beleza das palavras.
    Infelizmente a cultura e os agentes culturais são menosprezados em detrimento de interesses elitistas maiores, que nem sempre abona os interesses da maioria.
    Continuamos atrasados e mesquinhos e, por isso, continuamos a ser um país de emigrantes.
    Vivemos assim, temos uma minoria que continua a viver na luxuria exagerada, e uma maioria que mal sobrevive, por mais que trabalhe.
    Vamos fazer com que isto mude.

    ResponderEliminar
  2. Amigo,
    conto contigo para uma verdadeira 'Revolução Cultural' neste país. Subscrevo todas as tuas palavras.

    ResponderEliminar